EUA erram, e bomba acerta área civil do Afeganistão
Da Redação, da Reuters, da Folha Online e da BBC

    Após um dia de trégua, em respeito ao dia de oração semanal dos muçulmanos, os EUA voltaram a atacar o Afeganistão neste sábado. Os bombardeiros transformaram Cabul, a capital do país, em uma bola de fogo. A cidade está às escuras.
    O fornecimento de energia da cidade foi cortado antes dos ataques, que começaram pouco antes das 19h30 locais (12h30 no Brasil), provocando disparos da defesa antiaérea. Um das bombas jogadas sobre Cabul atingiu acidentalmente área residencial, errando o alvo em 1,6 quilômetro. O Pentágono diz que não há confirmação de quantas pessoas ficaram feridas, mas a agência afegã AIP afirma que pelo menos quatro morreram.
    O Taleban, que controla a região e abriga o saudita Osama bin Laden, disse que desde o início dos bombardeios, no domingo passado, mais de 300 civis morreram. Taysir Alluni, correspondente da TV Al Jazeera em Cabul disse que, aparentemente, os seis dias de bombardeiros reduziram o poder de defesa anti-aérea do Taleban. "No começo sabíamos que o bombardeio tinha começado quando ouvíamos os disparos das baterias anti-aéreas. Agora, primeiramente ouvimos as bombas americanas explodindo", disse ele.
    Em seu pronunciamento de rádio semanal, George W. Bush disse que a primeira fase da campanha militar dos EUA contra Osama bin Laden havia sido um sucesso. Bush afirmou que, quase uma semana depois do início dos bombardeios, as redes de apoio do militante saudita no Afeganistão foram destroçadas.
    Em entrevista à Al Jazeera, o mulá Mohamad Omar, líder do Taleban, disse que os EUA serão derrotados no Afeganistão e que os muçulmanos devem se decidir entre os EUA e o Afeganistão.

Antraz

    Na manhã deste sábado, o vice-presidente dos EUA, Dick Cheney, disse que pode haver uma relação entre os casos de contaminação por antraz e Bin Laden. O presidente Bush aproveitou o depoimento à rádio para pedir calma à população dos EUA, temerosa pela descoberta de casos de antraz no país.
    Nesta sexta-feira (12), uma funcionária da rede NBC News, em Nova York, teve resultado positivo em um teste para antraz cutâneo. Este é o quarto caso confirmado de antraz em uma empresa de comunicação desde os ataques de 11 de setembro aos Estados Unidos, disseram autoridades.
    O antraz cutâneo não é mortal como o pulmonar, que infectou um editor de fotografia do The Sun e o matou, na Flórida. Outros dois funcionários do tablóide tiveram teste positivo para a bactéria, mas não estão doentes.
    No "The New York Times", uma jornalista recebeu um envelope suspeito, com um pó branco, na manhã de sexta-feira. O material foi enviado para análise. Segundo o FBI, os envelopes suspeitos enviados à TV NBC e ao The New York Times foram postados em St. Petersburg, Flórida, e continham cartas semelhantes.
    Especialistas disseram na sexta-feira que o teste para detectar antraz ou outro agente biológico em pó ou líquidos suspeitos é simples e pode prevenir a infecção.

Armas

    A rede do fugitivo Osama bin Laden provavelmente tem a capacidade de criar armas químicas rústicas, mas mortais, e possivelmente de usar agentes biológicos como o antraz, disse uma autoridade de Defesa dos Estados Unidos. Inspetores norte-americanos encontraram antraz em instalações de armas biológicas da era soviética no Cazaquistão em uma inspeção de rotina esta semana, informou uma autoridade dos Estados Unidos.
    A União Européia adotou medidas de prontidão contra ataques biológicos, químicos e nucleares, criando uma rede de emergência de especialistas e concordando em compartilhar dados sobre vacinas e antídotos disponíveis.


Consciência.Net