Notícias do caseiro
E no meio da madrugada o telefone toca. Nosso amigo levanta-se e atende:

- Alô, seu Carlos? Aqui é o Arnaldo, caseiro do seu sítio.
- Pois não, seu Arnaldo. Que posso fazer pelo senhor? Houve algum problema?
- Ah, eu só tô ligando para avisar pro sinhô que o seu papagaio morreu.
- Meu papagaio? Morreu? Aquele que ganhou o concurso? Pôxa! Que desgraça! Gastei uma pequena fortuna com aquele bicho! Mas ele morreu de quê?
- De comer carne estragada.
- Carne estragada? Quem fez essa maldade? Quem deu carne para ele?
- Ninguém. Ele comeu de um dos cavalos mortos.
- Cavalo morto! Que cavalo morto, seu Arnaldo?
- Aqueles puro-sangues que o senhor tinha! Eles morreram de tanto  puxar a carroça d'água!
- Tá louco? Que carroça d'água?
- Para apagar o incêndio!
- Mas que incêndio, meu Deus?
- Na sua casa! Uma vela caiu, aí pegou fogo na cortina!
- Caramba, mas ai tem luz elétrica!!! Que vela era essa?
- Do velório!
- QUE VELÓRIO, PORRA?!?!
- Da sua mãe! Ela apareceu aqui sem avisar e eu dei um tiro nela pensando que era um ladrão!
Consciência.Net