jornalísticas

Manual de edição para as manifestações que ocorreram pelo Brasil. Complete as lacunas

Gustavo Barreto | 1 de julho de 2013 | Área(s): diario | Comentários (0)


Por Érico Rocha:

“A manifestação na cidade de _______ começou pacífica e ordeira, com cerca de ______ mil pessoas [lembrar de dividir por 10 o real montante; de preferência, cuidado com números emblemáticos – perto de milhão, nem pensar!] com bandeiras do Brasil e caras pintadas. Entoaram o hino nacional por diversas vezes.

Muitos cartazes pediam ______ [escolher, duas dentre as bandeiras vagas adiante – fim da corrupção; fim da impunidade; melhorias na saúde e na educação; lembrar de não apresentar nenhum cartaz com pautas concretas, tampouco críticas aos meios de comunicação].

Os ____ [“lado bom da força” – manifestantes, ativistas, jovens] seguiam pacificamente, até que uma minoria de _____ [“lado negro da força” - vândalos, baderneiros, descontrolados] começou a ____ [utilizar qualquer uma das expressões abaixo – depredar o patrimônio público; saquear lojas; queimar carros; fazer barricadas; jogar pedras nos policiais].

A polícia interveio de modo a dispersar a multidão, com balas de borracha e gás lacrimogêneo, e após algum tempo de confronto, a minoria foi contida e a manifestação terminou.”

________________________
(*) Dicas gerais:

- Ênfase no maniqueísmo – em momento algum e sob hipótese nenhuma, dar a impressão de que a ação truculenta da polícia atingiu o “lado bom” da força.

- Boa dica para validar mentalmente a ação truculenta – antes das imagens com a chegada da PM, escolher cenas de terror intenso, fomentando o clima de insegurança; se possível, filmar o “lado bom” da força afugentando e reprimindo o “lado negro”.

- Se o jornal se pretender politizado e for transmitido depois das dez da noite, ênfase nos pedidos de impeachment da Dilma e no “apartidarismo” – esse será o gancho para a análise do “especialista” sobre a suposta “falta de governabilidade” atual. Pedir para o mesmo citar o recrudescimento da inflação e a desvalorização cambial.

- Se o jornal for transmitido à tarde, especialmente após o almoço, ênfase no clima de insegurança e na depredação do patrimônio público. Inserir entrevista com relatos de mães desesperadas.

- IMPORTANTE: jamais mostrar cenas onde a polícia per se instaurou e fomentou a violência. Imagens de ruas ou bares onde tudo transcorria normalmente até a chegada das tropas ou relatos de pessoas que foram espancadas pelo simples fato de estar na rua estão terminantemente proibidas.

Qualquer semelhança com a cobertura dos protestos é mera coincidência.”

(Por Érico Rocha, via Julia Dias)

Tags: ,