Exército na Maré: o Brasil pré-Copa

Exército na Maré, complexo de favelas do Rio de Janeiro: esse incidente, pelo que chequei, aconteceu no local conhecido como Campo da Paty, na Nova Holanda.

O notável despreparo do Exército ocupando ruas na favela carioca vem acompanhado do total descaso em relação aos serviços sociais. [email protected] ao país da Copa.

* * *
A barbárie, declarada por um dos torturadores

“(…) Ex-agente do DOI contou que, ao chegar, o preso era levado à “sala do ponto”, um lugar tão terrível que “até o diabo, se entrasse ali, saía em pânico”.”

Mais um capítulo da estupidez promovida pelos militares durante a ditadura. Crimes imprescritíveis, crimes contra a humanidade.

Disse o ex-agente, Riscala Corbaje: “Não tem necessidade de fazer nenhum outro sofrimento, choque, nem nada. Os outros davam tapa, davam soco. Cada um trabalhava de um jeito lá. Tu já viu estudante? Você pega um estudante, você bota ele com o peso do corpo numa barra de ferro e deixa ele 15 minutos pendurado no pau de arara. Não precisa dar choque. O cara urra de dor. Sabe por quê? Atinge os nervos da perna. O cara quer descer de qualquer maneira”.

E, ao final, declarou: “Não tenho o menor peso na consciência”. (leia aqui a matéria)

* * *
SP: Mais pessoas devolvem apartamento por não poder arcar com aumento do aluguel

Belíssimo legado da Copa — e da falta de políticas públicas que realmente trarão desenvolvimento, como as de moradia.

“Uma pesquisa divulgada neste mês pelo Conselho Regional de Corretores de Imóveis do Estado de São Paulo (Creci-SP) mostra que, em um ano, dobrou a proporção de pessoas que devolveram as chaves de apartamentos por não conseguir arcar com o aluguel. O índice de entrega por problemas financeiros passou de 15% do total das devoluções, em fevereiro de 2013, para 30%, no mesmo mês deste ano. A pesquisa foi feita com 402 imobiliárias.”

Entendeu como os 25 bilhões da Copa voltam? Leia aqui a matéria.

Na Folha: “Eu costumava morar no centro de Itaquera, mas, de dois anos para cá, o meu aluguel passou de R$ 300 para R$ 700”, conta Luciana. “Aí não tive mais como ficar na minha casa.”

* * *
Enquanto isso, na Polícia Militar do Rio mais um corrupto está impune…

Do jornal O Dia: “PM suspeito de ser um dos chefes de quadrilha está na ativa em outro batalhão. Rômulo Oliveira André trocou de unidade mesmo após O DIA revelar com exclusividade detalhes da ação do grupo.”

Taí o porquê do fracasso da Polícia Militar do Rio de Janeiro. Este não é um caso isolado: a instituição não tem corregedoria.

Tudo pode, só tente não aparecer com o rosto no Fantástico ou fazer uma merda tão grande que vire alvo de campanha internacional. De resto, tudo pode.

A instituição funciona hoje de acordo com o vento: se o policial ou comandante é bom, tudo bem. Parabéns, toma sua estrelinha, com direito a aparecer no catálogo de “boas práticas” que será entregue à sociedade.

Se não é, aí ferrou. Corrupção, assassinatos, tudo poderá daí vir — sem consequências reais. Repito: é regra, não exceção.

Janio de Freitas, grande jornalista, em entrevista ao Fazendo Media: “Não adianta apenas substituir a farda por uma camisa esporte, vai continuar a mesma coisa”.

* * *
Ótimo artigo sobre o direito de se manifestar, inclusive na Copa

Os direitos humanos são inegociáveis, diz Atila Roque, da Anistia Internacional Brasil, e a sociedade civil está de olho: http://glo.bo/1keIV0G

Tortura e homofobia no Exército Brasileiro: Para separar casal gay, General Ademar da Costa afirmou: ‘Que saudade dos velhos tempos’

Tortura e homofobia no Exército Brasileiro: Para separar casal gay, General Ademar da Costa afirmou: 'Que saudade dos velhos tempos'Sargento que assumiu relacionamento homossexual e chegou a ser preso afirmou em reportagem do SBT, exibida este mês, que foi torturado. Em entrevista exibida na quarta-feira (18/1), Laci Marinho de Araújo e o parceiro Fernando de Alcântara dizem que são vítimas de preconceito e homofobia no Exército e apresentam graves e contundentes provas.

Em uma gravação obtida com exclusividade pelo repórter investigativo Roberto Cabrini, o General Ademar da Costa Machado Filho, apontado como mentor da perseguição, diz ter “saudade dos velhos tempos”.

O General afirma: “A gente manda o sindicante na casa do ‘De Araújo’ e ele não abre a porta, não abre a porta. No velho Exército que você começou a tua vida, a gente dava uma porrada, abria e pegava à força. Que saudade dos velhos tempos que você metia o pé na porta, esse cara já taria fora do apartamento.”

O general do Exército Ademar da Costa Machado Filho durante a posse do cargo de comandante militar do Sudeste, em março de 2011. (Foto: Edson Lopes/R7)
O general do Exército Ademar da Costa Machado Filho durante a posse do cargo de comandante militar do Sudeste, em março de 2011. (Foto: Edson Lopes/R7)

Em março do ano passado, o General Ademar da Costa tomou posse como comandante militar do Sudeste. “Joga ele na Vila Militar do Rio de Janeiro. Vai morar na favela. Entendeu? Manda o marido dele pro Rio Grande do Sul”, afirmou em outro trecho.

Em 6 de junho de 2008, dois dias após a prisão em São Paulo, Laci descreve a tortura que sofreu, dentro de um carro oficial, no deslocamento do hospital para o presídio militar: “Fui muito esmurrado no estômago, saco plástico na cabeça, palmatória na planta dos pés.”

Laci ainda está tomando remédios com receita controlada, por apresentar um quadro de depressão. O casal quer deixar o país para que a perseguição acabe e pede a punição do responsáveis pela tortura e pelas perseguições e represálias. “Precisamos que o Estado brasileiro haja de forma a punir estas pessoas, pois nós não somos um caso isolado”.

Assista acima à reportagem ou clique aqui para acessar diretamente no Youtube.