Uma adaptação pertinente para a imprensa

Gustavo Barreto | 5 de março de 2014 | Área(s): diario | Comentários (0)


Curioso que, em plena era da Internet, ao publicar um estudo ou relatório importante, os meios de comunicação tradicionais não “linkam” a publicação original.

Em outros tempos, é compreensível. Mas, com a Internet cada vez mais acessível, qual é o impedimento?

Será que existe algum temor de que as pessoas comecem a checar as informações?

Tags:





Viva Manoel Chagas!

Gustavo Barreto | 3 de março de 2014 | Área(s): diario | Comentários (0)


Manoel Chagas, o homem que roubava para escrever livros. (O registro é do jornal O Globo de 24 de dezembro de 1930.)

O registro é do jornal O Globo de 24 de dezembro de 1930.

Tags:





“Outra cousa não esperamos”, senhor governador!

Gustavo Barreto | 2 de março de 2014 | Área(s): diario | Comentários (0)


Reprodução do jornal O Globo de 23 de maio de 1930.

O governador Sérgio Cabral Filho poderia seguir o exemplo de pelo menos um de seus antecessores no que diz respeito ao trato do dinheiro público quando o assunto é o metrô (acesse aqui a matéria envolvendo a corrupção na gestão Cabral).

É o que nos lembra uma matéria do jornal “O Globo” de 21 de maio de 1930 (vide fotocópia), quando o então prefeito do Rio de Janeiro, Antônio Prado Júnior (1926-1930), tinha em mãos um projeto para construir o serviço na cidade.

O projeto não saiu do papel, é verdade – só viria a ser inaugurado muitas décadas depois, em 1979. Mas o exemplo de Prado Júnior é válido. Veja na fotocópia e abaixo o texto do diário na íntegra:

“O prefeito Antonio Prado Junior vetou o projecto que mandava conceder privilégio a determinado engenheiro, para construir o ‘metro’, e fez muito bem. Os serviços publicos dessa natureza devem sempre obedecer ao criterio da concorrencia a fim de se apurar quem maiores vantagens offerece. O projecto do Conselho Municipal deveria mandar o prefeito abrir concorrencia, estabelecendo nella todas as condições indispensaveis aos interesses da cidade e de sua população.

O problema do trafego urbano aqui está exigindo uma prompta solução. Os transportes subterraneos resolvem de golpe os perigos dos congestionamentos, que tanto perturbam o transito hoje em dia. Todas as grandes capitaes adoptaram o ‘metro’, desde que o trafego suspenso trouxe grandes inconvenientes para Nova York.

O veto do prefeito agora veio restabelecer a possibilidade de se organisar o serviço sob perspectivas mais seguras, mediante a concorrencia. Por intermedio della, a prefeitura poderá impôr condições e exigir vantagens em beneficio do publico. Outra cousa não esperamos.

Ao mesmo tempo o prefeito combateu (…) veso do Conselho, que costuma conceder favores nominaes, sem outros motivos além dos que inspiram os empenhos. É tempo de se estimularem os progressos da cidade por processos claros e honestos, que possam ser examinados sem [?].”

Tags: , , , , ,





Mario Rodrigues, um grande jornalista pouco lembrado

Gustavo Barreto | | Área(s): diario | Comentários (0)


Os filhos de Mário Rodrigues

Poucos sabem, mas esse negócio de Mídia Ninja e Black Bloc é coisa muito antiga.

E seu idealizador é nada mais nada menos que o sujeito que “produziu” Nelson Rodrigues e Mário Filho (ambos na foto): o grande jornalista Mário Rodrigues, pai de ambos e fundador dos jornais “A Manhã” e “Crítica”.

“(…) Cada leitor – segundo ‘Crítica’ – conhece um caso sensacional que desejaria ver publicado. Como incentivo, oferecia todas as terças-feiras 100 mil réis para o melhor caso.”

Mário Leite Rodrigues

Vale cada palavra deste texto de Matías M. Molina, para quem se interessa pela imprensa: http://bit.ly/1eRHsWC

Um outro filho, mais desconhecido do grande público — Roberto Rodrigues — foi um dos maiores artistas de sua época: http://bit.ly/1eRIjqf

"O Globo" publicou uma nota poucos dias após a sua morte, na edição de 21 de março de 1930, o descrevendo como "o jornalista de tanta popularidade que a mão da morte vem de roubar ao convívio de amigos, parentes e confrades".

“O Globo” publicou uma nota (acima) poucos dias após a sua morte, na edição de 21 de março de 1930, o descrevendo como “o jornalista de tanta popularidade que a mão da morte vem de roubar ao convívio de amigos, parentes e confrades”.

Sobre o “A Manhã”: hemerotecadigital.bn.br/artigos/manh%C3%A3-1

No Wikipédia: pt.wikipedia.org/wiki/M%C3%A1rio_Rodrigues

Na mini-bio de Nelson: www.nelsonrodrigues.com.br/site/sobre.php

Quem tiver referências — assim como pistas sobre bibliografia para o jornal “Crítica”, ficarei eternamente grato.

Tags: , , ,





Será que teremos esse tipo de jornalismo humano e cidadão de volta?

Gustavo Barreto | 1 de março de 2014 | Área(s): diario | Comentários (0)


A matéria é do jornal “O Globo” de 26 de agosto de 1929, reproduzo-a na íntegra, respeitando a gramática da época, fotocópia nesta imagem. São particularmente interessantes as duas últimas frases:

Matéria é do jornal O Globo de 26 de agosto de 1929

Matéria é do jornal O Globo de 26 de agosto de 1929

“A POLICIA PROMOVENDO DESORDENS; VARIAS PESSOAS FERIDAS A PAO E A TIROS; Uma avenida em polvorosa

Custa a crer hajam investigadores promovido a desordem de que nos vamos occupar nesta noticia, taes os excessos a que se entregaram os seus promotores, chegando a balear um menor e apontar os seus revólveres para mulheres.

Foi hontem, à noite, que o facto ocorreu.

Pela rua Dr. Maciel, passava, á noite, uma turma de cinco investigadores, chefiada por um de côr parda, baixo e magro. Ao defrontarem com a casa n. 27 da referida rua, vendo às portas da mesma varias mulheres e homens ali residentes, o chefe ordenou a todos que se recolhessem, pois, esta era a ordem do commissario de serviço.

Como era natural, houve estranhesa de parte dos intimados, que articularam razões que os levavam a ali permanecer.

Os policiaes retrucaram aos gritos, intimando os moradores a que se recolhessem.

Nessa occasião, Francisco Remper, de 19 annos, solteiro, operario, approximou-se do que os intimava e tentou uma explicação.

A resposta foi um pescoção terrivel.

Percebendo o perigo a que se expunha, Remper correu, procurando fugir ao grupo. O chefe da turma, porém, o perseguiu, a tiros, baleando-o nas costas.

Emquanto isso se passava com Francisco, seu irmão Raphael, de 17 annos, era espancado a begaladas.

Como loucos, os policiaes sacaram dos revólvers e os apontaram contra os demais passageiros, que aggrediram, conseguindo, assim, apavoral-os.

Quando terminarão essas scenas vergonhosas?”

Tags: ,





Manifestação contra a Copa do Mundo em São Paulo no dia 22 de fevereiro de 2014

Gustavo Barreto | 28 de fevereiro de 2014 | Área(s): Acesso a Justiça & Democracia,Segurança pública,Violência policial | Comentários (0)


Uma manifestação contra a Copa do Mundo reuniu entre mil e 1,5 mil pessoas em São Paulo no sábado, 22 de fevereiro de 2014. A Polícia Militar empregou 2,3 mil homens na operação. Em vez de bombas de gás e balas de borracha, foram usados cassetetes e um pelotão “especializado” em artes marciais.

Dentre os 262 detidos, seis eram jornalistas de grandes veículos que foram levados sob acusação de envolvimento com os “black blocs”. A Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo contabilizou 14 profissionais detidos arbitrariamente ou agredidos por policiais: http://bit.ly/1fCgM0x. O repórter fotográfico Evelson de Freitas (O Estado de S. Paulo) fotografou o PM agressor na hora em que foi atingido: http://bit.ly/1fiGYZu. Ao menos oito pessoas ficaram feridas.

No Facebook, o professor de Filosofia da USP, Paulo Ortellado, que estava na manifestação, afirmou que “não foi a repressão mais violenta, mas foi a mais grave sucessão de abusos aos direitos civis” que ele já presenciou desde a retomada da democracia no país, com “indiciamentos preventivos, centenas de detenções arbitrárias, cerceamento à cobertura da imprensa e impedimento da ação de advogados”: http://on.fb.me/1hlJvGQ

A Ordem dos Advogados do Brasil de São Paulo afirmou que o excesso fica claro até pelo número de detidos, quase um quatro do total de manifestantes, e que vai cobrar a apuração de abusos: http://bit.ly/1cLDWAC

A Corregedoria da Polícia Militar abriu investigação para apurar os abusos contra jornalistas, mas não há nenhuma notícia na imprensa sobre investigações de abusos contra manifestantes: http://bit.ly/1mF2CkB. Destacamos, porém, matéria da BBC Brasil (19/2) mostrando que nenhum policial foi punido até agora pela agressões a jornalistas em 2013: http://bbc.in/1oT9MjQ

O documento fala em mais jornalistas mortos do que as organizações internacionais registraram até agora, segundo o jornal O Globo. O GT sugere a criação de um observatório para monitorar a violência contra os profissionais de mídia: http://glo.bo/1hHdBrC

O comando da Polícia Militar classificou a operação como exitosa. O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse que houve uma “inovação” na atuação da PM e que vai avaliá-la para a implementação em outros estados. Ele se recusou, porém, a comentar a violência policial porque seria um equívoco antes da averiguação: http://bit.ly/OyozmI

Mais de 700 pessoas já estão sendo investigadas como suspeitas por atos de vandalismo e 40 por “comandarem” black blocs em SP. O número é total, não apenas referente a sábado: http://glo.bo/1muZiVM

Repórter dedicado há muitos anos à área de segurança pública, atualmente Bruno Paes Manso cursa pós-doutorado no Núcleo de Estudos da Violência, na Universidade de São Paulo. Em seu blog no jornal O Estado de S. Paulo, ele aborda as ilegalidades das Polícias Civil e Militar no ato de sábado, afirma que as práticas foram semelhantes às da ditadura e prevê uma retomada forte das manifestações a partir de março como resposta a essas ações: http://bit.ly/1hlzwBm

Jamil Chade, correspondente do mesmo jornal em Genebra, publicou nota com declarações do Frank La Rue a respeito das manifestações contra a Copa: http://bit.ly/1k9MC56

Mais detalhes podem ser encontrados nas matérias abaixo:

O Estado de S. Paulo – 24/02
Em apenas 2 manifestações, PM prende 397 e supera total de detenções de 2013

R7 – 24/02
Jornalistas e polícia compartilham mesmo espaço, diz secretário após agressões em protesto

El País – 23/02
Um protesto com mais policiais que manifestantes

Gazeta do Povo – 23/02
Jornalistas são detidos e agredidos durante protesto em SP; ação é condenada

Terra – 23/02
PM isola manifestantes no centro de SP com estratégia ‘ninja’

Folha de S. Paulo – 22/02
Vídeo mostra cerco policial a manifestantes e jornalista em SP

(Por Damaris Giuliana, jornalista, em colaboração ao blog)

Tags: , , ,