FALTA O BOBO NA CORTE DO PAPA (por Eduardo Hoornaert)



Na maioria das culturas, desde tempos imemoráveis, existe a figura do palhaço, que pode ter os mais diversos nomes: bobo, bufão, clown, tolo, idiota, ignorante, e muitos outros. Ao lado do rei, do imperador, do faraó, do sultão ou do presidente, esse bobo faz figura de ingênuo e ignorante. Mas não é bem assim, pois a figura sisuda, demasiadamente séria, do homem que representa a suprema autoridade e vive rodeado de um cerimonial repetitivo e enfadonho, necessita a seu lado a figura brincalhona que significa o limite, a fragilidade e a provisoriedade do poder. Um bom governo é composto de um rei e de um bobo: seriedade e senso de limite, sisudez e humor. A conjunção resulta em sabedoria e arte de governar.

Nos tempos do império romano, quando o imperador passava pelo arco do triunfo e recebia as supremas honras, o cerimonial exigia que houvesse a seu lado uma pessoa que lhe sussurrava continuamente no ouvido as seguintes palavras: ‘memento mori’ (lembre-se: você também é mortal). E na corte dos reis medievais, em meio às mais solenes sessões, o bobo da corte agitava de vez em quando, rindo e dançando, um espelho diante da face do rei, como para dizer: ‘veja as besteiras que você está fazendo!’. Na literatura não falta a figura do bobo. Dom Quixote sempre sonha com os mais elevados ideais, mas ele vai acompanhado de Sancho Pancha que só pensa em ‘sombra e água fresca’. Reis e rainhas das comédias de Shakespeare, Corneille e Racine, sempre têm seus (suas) ‘confidentes’, que lhes dizem a verdade.

E Dostojevski, quando quer contar a história de um homem realmente bom, o chama de ‘idiota’. O bom governo necessita de idiotas. Eles são fundamentais para o bom andamento da sociedade, pois, ao mesmo tempo em que incomodam, mostram os limites de tudo que se quer realizar na vida. Eles apontam para a sabedoria. Só um rei, imperador, sultão ou papa que se mostra capaz de escutar o bobo conquista a sabedoria e faz um bom governo. A bobagem é o caminho da sabedoria, a ironia o contrapeso da autoridade.

Os padres desobedientes da Áustria e da Irlanda bem que poderiam ser hoje os bobos da corte do Vaticano a lembrar que a boa vontade do papa não pode fazer com que ele feche os olhos diante da precariedade e dos limites de seu projeto. Da mesma forma os teólogos da libertação na América latina ou os teólogos desobedientes da Espanha. Mas parece que o papa atual não vê as coisas desse modo e isso constitui uma ameaça ao bom andamento da igreja. Em vez de procurar alguma centelha de verdade nas ideias desses padres, o papa fala em ‘desobediência’. A impressão que algumas de suas declarações recentes deixam é que ele anda enxergando, em seu redor, sombras que assustam, armadilhas e armações, conciliábulos, sussurros nos cantos do palácio e nos imensos corredores. O psicólogo Jung nos ensina que essas impressões ameaçadoras bem poderiam ser expressões de desejos não confessáveis e sentimentos reprimidos.

É nesse momento que se sente a falta do saudável bobo da corte a trazer a realidade como ela é e lembrar que as coisas nem sempre são como a gente quer. Tudo, afinal, pode ser diferente. Quando alguns cardeais foram aconselhar o papa João XXIII a não convocar um concílio, pois tudo corria normalmente na igreja e seria uma despesa inútil, ele simplesmente se levantou e abriu uma janela da sala. Uma lufada de ar fresco penetrou nos sagrados recintos do Vaticano (que cheiram a mofo). Em plena sessão do Concílio Vaticano II, Dom Helder sonhou que, de repente, o imperador Constantino irrompia de cavalo na nave central da imensa basílica de São Pedro. Num outro sonho, igualmente saudável, ele se imaginou que o papa tinha ficado louco, jogou sua tiara no rio Tibre e dançava cantando pelas ruas de Roma.

Hoje, penso que, para ser um bom católico, há de se cultivar um pouco de saudável ironia. Ao me aproximar de teólogos da libertação da primeira geração, como Gustavo Gutiérrez, José Comblin e Juan Luís Segundo, sempre me impressionou seu espírito de humor. Eles sabiam relativizar e manter a esperança, eles cultivavam a ironia. Mas hoje estamos vivendo numa igreja à qual se aplica a palavra de Millôr Fernandes: ‘para que ser o bobo da corte se o rei não tem espírito de humor?’.

Share

Um comentário para “FALTA O BOBO NA CORTE DO PAPA (por Eduardo Hoornaert)

  1. Se equivoca o eminente historiador; o bobo está lá mesmo, tão bobo
    que deixou o trono de papa por um outro de sub-troço.
    Bobo, bobão, desde o momento em que enfrentou a geral com que João XXIII iniciou a limpeza o palácio e da corte, a começar pelos financiadores dela, os da América Latina, desde o tempo de Pizarro, Cortez e dos Bandeirantes caçadores-de-índios: com certeza entrava tanta grana que viajou pras zeuropas que estes e muitos outros assassinos devem estar se deleitando na corte celeste ao lado de deus pai todo poderoso. É um tal de papar manjar-doce toda hora. . . É que compraram as suas indulgência numa boa hora, a preços baixos, com o ouro e a prata e os diamantes da América do Sul.
    Olha Eduardo, ninguém me engana: a primeira multinacional a aparecer no mercado foi a igreja romana. O que investiram dos seus lucros em palácios, catedrais e seus afrescos paredes à fora, e demais obras de arte valiosíssimas no mercado internacional, não está no gibi!
    O tal de papa aí é apenas um beijoqueiro, passando saliva e língua nos otários brasileiros. Só não tenta mais vender indulgências porque da última vez que fizeram deu um tremendo rebú-do-bode!!!
    O bobo está é lá ao lado, no controle dos bancos e da grana preta que entra todos os meses.
    Eduardo, m’engana qu’eu gosto!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>