Mapa da Corrupção: Paulo Maluf
.
pior que novela
Justiça cassa direitos políticos de Maluf e Pitta

O Tribunal de Justiça de São Paulo determinou que os direitos políticos dos ex-prefeitos Paulo Maluf e Celso Pitta sejam cassados. A decisão é o resultado de uma ação por improbidade administrativa (má gestão pública). Na ação, Pitta e Maluf foram acusados de simular que a arrecadação da cidade de São Paulo era superior ao real e, com isso, gastar além do permitido. O advogado de Pitta informou que vai recorrer da decisão. A defesa de Maluf não foi localizada pela reportagem. Da Folha Online, 10/11/2005.

acusações
Nunca houve tantas provas

Ao longo dos seus quarenta anos de trajetória política, Paulo Salim Maluf, ex-prefeito de São Paulo, habituou-se a conviver com uma sucessão de denúncias de corrupção das quais, até hoje, escapou incólume. Na semana passada, o Ministério Público, encerrando um trabalho de três anos, entregou à Justiça o resultado de uma investigação que, por sua robustez, pode mudar a sorte do ex-prefeito. "Pela primeira vez, conseguimos provar não só que Maluf desviou uma fortuna dos cofres públicos como usou parte desse dinheiro para pagar contas pessoais e de sua família", afirma o promotor Silvio Marques. As investigações apontam que o valor desviado de contratos de obras públicas na última gestão do ex-prefeito chega a 500 milhões de dólares. Reportagem da revista VEJA, Edição 1922, de setembro de 2005. Leia também no Jornal do Brasil a matéria 'Coleção de ações públicas', de 11/9/2005.

histórico
Maluf e seu filho Flávio são presos pela PF em SP

O ex-prefeito Paulo Salim Maluf, 74, e seu filho Flávio, presos na sede da Superintendência da Polícia Federal em São Paulo neste sábado (10/9/2005) podem passar o fim de semana detidos, caso seus advogados protelem o pedido de habeas corpus. Os dois são acusados de formação de quadrilha, corrupção passiva, lavagem de dinheiro e evasão de divisas. Se condenados, a soma das penas mínimas é de oito anos de prisão. Matéria da FOLHA ONLINE.

(...) De acordo com relatório do Ministério Público Federal, demonstrativos de pagamento mostram que cerca de R$ 57 milhões foram pagos à construtora Mendes Júnior pela Prefeitura de São Paulo, entre 1997 e 1998, época em que Maluf era o prefeito da cidade. Segundo a Procuradoria, o dinheiro recebido pela construtora era pago a subempreiteiras "laranjas", que devolviam 90% (após pagamento de serviço por meio de notas fiscais frias) em cheques para o ex-diretor da empresa Simeão Damasceno de Oliveira. Mais detalhes aqui.

Outras duas pessoas são citadas na denúncia do Ministério Público, destaca a Agência Brasil (10/9/2005): o doleiro Vivaldo Alves, o Birigui, e o ex-diretor da Construtora Mendes Júnior, Simeão Damasceno de Oliveira. Eles são acusados dos mesmos crimes que o ex-prefeito. (set/2005)

Promotoria aponta elo entre Duda e Maluf

Uma das contas que pagou o publicitário Duda Mendonça no exterior, em 1998, é apontada pelo Ministério Público como a receptora do suposto dinheiro desviado durante a gestão do ex-prefeito paulistano Paulo Maluf (PP). À época, Duda era o responsável pela campanha de Maluf ao governo de São Paulo -o ex-prefeito perdeu no segundo turno para o governador Mário Covas (PSDB), morto em 2001. A conta que, segundo promotores e procuradores, foi abastecida com dinheiro desviado durante a construção da avenida Água Espraiada (hoje Jornalista Roberto Marinho) é a Chanani, controlada por um doleiro de São Paulo. Da Folha de S. Paulo, 17/8/2006..[+]

Assessor diz que campanha foi paga no Brasil

Adilson Laranjeira, assessor do ex-prefeito paulistano Paulo Maluf (PP), disse ontem que a campanha eleitoral de 1998 foi integralmente paga ao publicitário Duda Mendonça no Brasil. O assessor disse que a declaração de gastos daquela campanha foi submetida ao TRE (Tribunal Regional Eleitoral) de São Paulo e aprovada. Da Folha de S. Paulo, 17/8..[+]

Brasil não pode usar papéis suíços para indiciar Maluf

A Justiça Federal da Suíça proibiu o Brasil de usar os 20 quilos de documentos oriundos da quebra de sigilo bancário do ex-prefeito de São Paulo Paulo Maluf (PP) em processos por remessa ilegal de dinheiro para o exterior (evasão de divisas). A decisão suíça, vista como prejudicial às investigações contra Maluf e seus familiares, terá de ser acatada pelo governo brasileiro sob o risco de inviabilizar outros pedidos de colaboração entre os dois países. Da Folha de S. Paulo, 16/8..[+]

Offshore de Duda recebeu de firma atribuída a Maluf

A offshore Agata, que intermediou pelo menos US$ 1,5 milhão em transações financeiras atribuídas ao publicitário Duda Mendonça e à sua sócia Zilmar Silveira, recebeu uma remessa, também de US$ 1,5 milhão, de uma empresa ligada ao ex-prefeito Paulo Maluf. A Agata, com sede nas Ilhas Virgens Britânicas - um paraíso fiscal - e controlada por doleiros de São Paulo, recebeu uma remessa de US$ 1,5 milhão no dia 1º de julho de 1997 da offshore Durant International. Para o Ministério Público do Estado de São Paulo, conforme documentos fornecidos pela Justiça suíça, a Durant, com sede em Londres, é uma offshore - empresa cujos nomes dos sócios são mantidos sob sigilo - controlada por Maluf e seus familiares. Da Folha de S. Paulo, 15/8..[+]

CPI investiga se Vadão recebeu dinheiro de Valério para a campanha de Maluf

SÃO PAULO. Suspeito de receber R$ 3,7 milhões da empresa SMP&B de Marcos Valério por ser um dos operadores do mensalão no Congresso, o deputado Vadão Gomes (PP-SP) já foi investigado em 1995 pelo Supremo Tribunal Federal (STF), acusado de envolvimento em desvio de dinheiro público do Departamento Nacional de Cooperativismo e Associativismo (Denacoop), órgão vinculado ao Ministério da Agricultura. (...) A CPI dos Correios investiga se há relação entre o recebimento de R$ 3,7 milhões por Vadão e a campanha do ex-prefeito Paulo Maluf em 2004. Do jornal O Globo, 12/8..[+]

Maluf não poderá ser punido

SÃO PAULO. A Justiça Federal extinguiu a punibilidade do ex-prefeito Paulo Maluf (PP) em ação penal por crime de evasão de divisas. Por ter mais de 70 anos, Maluf foi beneficiado por lei brasileira que reduz pela metade o tempo em que alguém pode ser processado. A denúncia havia sido feita pelo Ministério Público Federal em outubro do ano passado. Com a decisão, o processo será arquivado. O ex-prefeito e seus familiares são réus em outro processo, por formação de quadrilha, evasão de divisas e lavagem de dinheiro. Esta ação não sofre prejuízo por conta do arquivamento do processo por evasão de divisas. Do Jornal do Brasil, 4/6..[+]

Maluf depõe na Justiça

O ex-prefeito paulistano Paulo Maluf (PP) foi interrogado ontem, por quase duas horas, na Justiça Federal em São Paulo sobre uma movimentação não declarada de US$ 446 milhões na Suíça. O crime foi atribuído a ele pelo Ministério Público Federal. Do Jornal do Brasil..[+].Do jornal O Globo, 19/3/2005..[+]

Governo quer reaver dinheiro de Maluf

A secretária nacional de Justiça, Claudia Chagas, discute hoje, no paraíso fiscal da ilha de Jersey (canal da Mancha), com autoridades daquele país, formas de repatriação dos cerca de US$ 120 milhões pertencentes ao ex-prefeito de São Paulo Paulo Maluf (PP). A reunião marca a retomada das negociações que estavam suspensas por conta da eleição municipal do ano passado. Maluf, que era candidato a prefeito e sofreu sua pior derrota nas urnas, nega ter contas bancárias fora do Brasil e à época argumentava que a investigação visava prejudicá-lo eleitoralmente. Da Folha de S. Paulo, 28/2..[+]

STJ confirma extinção de processo contra Paulo Maluf

O STJ (Superior Tribunal de Justiça) divulgou hoje que aceitou recurso do ex-prefeito de São Paulo Paulo Maluf e restabeleceu a sentença do Tribunal de Justiça que havia extinguido o processo no qual era acusado de lesão ao patrimônio público municipal. A ação popular contra Maluf, movida pelo ex-vereador Adriano Diogo (PT), se devia à criação de um órgão administrativo para gerenciar as avenidas marginais dos rios Tietê e Pinheiros. Da Folha Online, 18/2..[+]

Justiça deixa Maluf solto, mas inicia processo

A juíza da 2 Vara Criminal Federal de São Paulo, Silvia Maria Rocha, recebeu ontem a denúncia criminal contra o ex-prefeito Paulo Maluf pelos crimes de formação de quadrilha, lavagem de dinheiro e evasão de divisas, iniciando processo criminal contra ele. Foi aceita a denúncia do Ministério Público Federal contra Flávio e Ligia, filhos de Maluf, o genro Marcílio Curi e a nora Jaqueline..—.O Globo, 1/12/2004

Ministério Público Federal pede a prisão preventiva de Paulo Maluf

O Ministério Público Federal em São Paulo pediu nesta sexta-feira a prisão preventiva de Paulo Maluf, ex-prefeito de São Paulo. O pedido está sendo analisado pela juíza da 2ª vara criminal federal, Silvia Rocha, e faz parte de denúncia oferecida pelo procurador da República Pedro Barbosa. Não houve pedido de prisão para os filhos, para o genro e para a nora, apesar de eles também terem sido indiciados pela Polícia Federal. Maluf e parentes são acusados de enviar ilegalmente dinheiro para o exterior..—.Rádio CBN, 26/11/2004

Paulo Maluf é condenado por pagar anúncio com dinheiro público

O ex-prefeito Paulo Maluf continua obrigado a devolver aos cofres públicos, solidariamente com dois outros réus, cerca de R$ 500 mil. A decisão foi tomada, nesta quinta-feira (16/12), por oito votos a zero, pelo 2º Grupo de Câmaras de Direito Público do Tribunal de Justiça de São Paulo. Os outros condenados foram os ex-secretários municipais Edvaldo Alves da Silva e José Altino Machado..—.Consultor Jurídico, 16/12

Juíza rejeita pedido de prisão contra ex-prefeito de SP

O ex-prefeito Paulo Maluf não deve ser preso. A decisão é da juíza da 2ª Vara Criminal Federal de São Paulo, Silvia Maria Rocha. Ela, no entanto, aceitou a denúncia contra Maluf por lavagem de dinheiro, formação de quadrilha e evasão de divisas. O pedido foi feito pelo Ministério Público Federal, que vai recorrer da decisão. O processo criminal alcançará também os dois filhos de Maluf, Flávio e Lígia Maluf, e os genros do ex-prefeito, Jaqueline Lafaiete Maluf (mulher de Flávio) e Miguel Maurílio Cury (marido de Lígia)..—.Consultor Jurídico, 30/11

PF indicia filha e genro de Maluf

A Polícia Federal de São Paulo indiciou nesta quarta-feira Lígia Maluf e Maurílio Curi, respectivamente filha e genro do ex-prefeito de São Paulo Paulo Maluf (PP). Eles são acusados dos crimes de evasão de divisas, lavagem de dinheiro, sonegação fiscal, peculato (apropriação de bem público por servidor) e formação de quadrilha. No interrogatório, ambos foram questionados sobre envio de dinheiro para o exterior, mas se reservaram o direito de só falarem na Justiça. Interrogada, a mulher do ex-prefeito, Sylvia Maluf, afirmou que não participa dos negócios da família e que apenas assina documentos a pedido do marido, sem conhecimento do seu teor..—.Folha Online, 17/11

Promotoria move ação contra Maluf, que vira réu por evasão de divisas

O ex-prefeito de São Paulo Paulo Maluf, 73, foi protagonista hoje de duas notícias que movimentaram a esfera judicial. No mesmo dia em que promotores ingressaram com ação civil por improbidade administrativa contra Maluf, foi anunciado que ele transformou-se em réu na Justiça Federal por evasão de divisas. Na ação estadual, os promotores da Justiça da Cidadania pedem que Maluf seja condenado a pagar cerca de R$ 5 bilhões à prefeitura. Pedem ainda que a Justiça conceda liminar para bloquear os bens do ex-prefeito, com o objetivo de evitar uma transferência de patrimônio e, assim, assegurar uma eventual condenação..—.Folha Online, 19/10

Tribunais suíços cobram R$ 45 mil de Maluf

Os tribunais suíços cobram do ex-prefeito Paulo Maluf (PP), da família e dos advogados dele 20 mil francos suíços (aproximadamente R$ 45 mil) em taxas administrativas referentes aos processos conduzidos contra ele..—.O Dia, 14/10

PF indicia Maluf por envio ilegal de dinheiro ao exterior

A Polícia Federal indiciou hoje o ex-prefeito Paulo Maluf (PP) e seu filho Flávio Maluf por cinco crimes: lavagem de dinheiro, evasão de divisas, formação de quadrilha, peculato (desvio de dinheiro público) e sonegação fiscal. O indiciamento foi determinado pelo delegado Protógenes Queiroz, da PF de Brasília. Nesta manhã, Maluf e seu filho prestaram depoimento na sede regional da PF da Lapa, em São Paulo..—.Consultor Jurídico, Folha Online, Jornal do Brasil, Correio Braziliense, O Dia, O Globo, 13/10

Maluf e Pitta responderão processo por lesão ao erário

O ex-prefeito e atual candidato à prefeitura de São Paulo, Paulo Maluf, o ex-secretário de Finanças, também ex-prefeito paulistano Celso Pitta, além do próprio município de São Paulo, vão ter de responder a processo considerado extinto pelo Tribunal de Justiça de São Paulo..—.Consultor Jurídico, 24/9

Erundina e Maluf

Conta a revista "Época", do grupo Globo e portanto oficiosa. "O PT fez dois movimentos (para ajudar Marta em São Paulo): obteve do PSB o compromisso de punir Erundina caso ela apóie Serra no segundo turno. E prometeu a Maluf que a CPI do Banestado continuará inofensiva". Eles chamam isso de "ética". Essa aí rima com "titica"..—.Sebastião Nery, Tribuna da Imprensa, 22/9

PF apura desvio de dinheiro que envolve Maluf

Investigação pode descobrir quem foi o doleiro que ajudou a mandar para o exterior R$ 1 bi desviado de obra em SP.—.O Globo, 21/8

Maluf é condenado por uso irregular de Imprensa Oficial

A Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça manteve decisão da Justiça de São Paulo que obriga o candidato à prefeitura de São Paulo, Paulo Maluf, a arcar com os custos de material de campanha do PDS - Partido Democrático Social - produzido na Imesp (Imprensa Oficial do Estado de São Paulo) para a eleição de 1982..—.Consultor Jurídico, 13/8

EUA revelam US$ 406 mil em nome de Maluf

O nome de Paulo Maluf (PP), candidato à Prefeitura de São Paulo, aparece como beneficiário de um depósito de US$ 406,5 mil no antigo MTB Bank (hoje absorvido pelo Hudson Bank), de Nova York. É a primeira vez que o nome do ex-prefeito é citado em transferência bancária de uma instituição financeira no exterior..—.Folha de S. Paulo, 13/8

Maluf é réu em 37 ações e acumula 10 condenações

Candidato do PP também obteve vitórias na Justiça, como no chamado Frangogate.—.Folha de S. Paulo, 4/7

Relator não vê motivos para que CPI convoque Maluf

O relator da CPI do Banestado, deputado federal José Mentor (PT-SP), afirmou ontem que não há elementos que justifiquem a convocação de Paulo Maluf, ex-prefeito de São Paulo. "Até este momento, a relatoria [da CPI] desconhece qualquer documento que tenha uma acusação contra Maluf", afirmou. Em 2001, a Folha revelou a existência de depósitos em nome de Maluf na ilha de Jersey, paraíso fiscal no canal da Mancha. Maluf nega ter contas fora do país..—.Folha de S. Paulo, 30/6

Novos documentos sobre movimentações financeiras no exterior complicam situação de Maluf

O ex-prefeito Paulo Maluf negou hoje na CBN conhecer a Fundação White Gold, aberta em 1990, em Vaduz no principado europeu de Liechenstein. O ex-prefeito afirmou que não tem nenhuma participação na fundação e acusou o Ministério Público de São Paulo de "alardear" a questão e de estar a serviço eleitoral. Ontem, a TV Globo divulgou novos documentos sobre movimentações financeiras de Maluf no exterior. Os documentos teriam sido enviados pelo governo suíço ao Ministério da Justiça do Brasil. Com base neles, a Polícia Federal e o Ministério Público de São Paulo investigam enriquecimento ilícito e evasão de divisas..—.Rádio CBN, 24/06

Carta atribuída a Maluf doa saldo na Suíça para filhos

Promotoria vai pedir exame para confirmar autoria de documento..—.Folha de S. Paulo, O Globo, 16/06

Se Maluf não acabou, São Paulo acabou

Depois da última saraivada de evidências de desvios de recursos, exibida na semana passada e somada à decisão da Justiça de quebra de sigilo bancário a partir de documentos enviados pela Suíça, não há meio-termo: se Paulo Maluf não acabou politicamente, a cidade de São Paulo acabou moralmente..—.Dimenstein, 06/06

Justiça ordena devassa nas contas dos Maluf

Juíza determina análise de informações bancárias e fiscais do ex-prefeito, de sua família e oito empresas e fundações..—.O Globo, 05/06

Pedida quebra de sigilo fiscal e bancário da família Maluf

Promotores também querem dados sobre oito empresas..—.O Globo, 01/06

Impunidade danosa

Um dos políticos mais corruptos do país, Paulo Maluf, é processado por improbidade administrativa desde 1970; já encontraram milhões de dólares em suas contas no exterior sem que ele explique a origem do dinheiro. No entanto, até agora não cumpriu pena e nem está com os direitos políticos cassados; continua livre para disputar novas eleições..—.Hamilton Octavio de Souza, Brasil de Fato, 20/05

Maluf: Uma montanha de provas

A Justiça da Suíça já mandou para o Brasil documentos que mostram que o ex-prefeito Paulo Maluf é dono da conta de mais de US$ 200 milhões (quase R$ 600 milhões) aberta no Citibank de Genebra, de onde o dinheiro posteriormente foi transferido para o paraíso fiscal das Ilhas Jersey. Numa das fichas de abertura da conta em nome da empresa Blue Diamond (Diamante Azul), que depois trocou o nome para Red Ruby (Rubi Vermelho), com data de 5 de julho de 1985, Maluf aparece como beneficiário. A conta era abastecida com dinheiro público desviado de obras em São Paulo, segundo os promotores do caso.

A assinatura de Maluf na ficha de abertura da conta é idêntica à que está na declaração de bens entregue à Justiça Eleitoral. Ao todo, foram três anos de investigação desde que a Suíça deu o alerta avisando que o dinheiro tinha sido transferido para o paraíso fiscal. Antes disso, o ex-prefeito já vinha sendo investigado no Brasil sob acusação de desvio de recursos de obras públicas. Mais de 50 testemunhas foram ouvidas. O Brasil mandou à Suíça a documentação sobre as denúncias. Convencidos da corrupção, os investigadores suíços conseguiram quebrar o sigilo bancário do ex-prefeito. Maluf continua negando ser dono do dinheiro..—.O Globo, 18/5

Documento prova que Maluf abriu e é dono de conta com fortuna que sempre negou

Contra todas as provas reunidas tanto por autoridades da Suíça como do Brasil, o ex-prefeito Paulo Maluf continuava negando ser responsável por uma conta de mais de US$ 200 milhões (quase R$ 600 milhões) no exterior, mas a ficha de abertura no Citibank de Genebra mostra definitivamente que é ele o dono da fortuna.

Os documentos enviados pela Suíça para promotores do Ministério Público estadual e procuradores da República, obtidos com exclusividade pelo “Jornal Nacional” da Rede Globo, não deixam margem para dúvida: Maluf é o dono da conta em nome da empresa Blue Diamond (Diamante Azul), que depois trocou o nome para Red Ruby (Rubi Vermelho). A Diamante, ou Rubi, era abastecida com dinheiro público desviado de obras em São Paulo, afirmam os promotores do caso.—.O Globo, 8/5

Tribunal permite a Maluf não depor sobre contas

Presidente do TRE-SP garante ao ex-prefeito o direito de não explicar remessas ao exterior..—.O Globo, 29/4

Bomba suíça

Justiça de Genebra manda extratos e promotor vai processar e multar Maluf em bilhões de reais por desvio de dinheiro público..—.Revista IstoÉ, 28/2

Suíça libera documentos e Maluf será processado por conta nas Jersey.—.O Globo, 25/2

1998

Deputados do PPB acham pouco os R$ 3 milhões que Maluf teria oferecido.[abril de 1998]
 
 

Consciência.Net
• Mapa da Corrupção
• São Paulo
• No Google

AVISO!
Nem todos os casos de corrupção possuem necessariamente o envolvimento do empresário Paulo Maluf, apesar das aparências.