Venezuela
.
.
Arquivo 2004

Retrospectiva 2004: América andina em movimento

Vitória de Hugo Chávez na Venezuela; pendências com a comercialização do gás na Bolívia; rechaço aos presidentes Lucio Gutierrez, no Equador, e Alejandro Toledo, no Peru. Colômbia intensifica investimento contra-guerrilha. Estes foram alguns dos principais destaques dos países andinos em 2004. Da Agência ADITAL, 30/12/2004..[+]

Venezuela acelera a sua reforma agrária

Governadores alinhados ao presidente venezuelano, Hugo Chávez, aceleraram a aplicação da Lei de Terras, de 2001, que incentiva a reforma agrária e o combate ao latifúndio. Entre os objetivos, estão o aumento da produção de alimentos do país, que importa a maior parte do que consome, e a redução das ocupações de terra pelos movimentos sociais..—.Agência Ansa, 28/12

Chávez e Fidel colocam Alba em prática

A Alternativa Bolivariana das Américas (Alba) está deixando de ser apenas um discurso para virar proposta de integração, de fato, aos povos do continente. Dia 14, os presidentes Hugo Chávez e Fidel Castro assinaram um acordo de cooperação socioeconômica entre Venezuela e Cuba. As propostas refletem alguns dos princípios defendidos pelos movimentos sociais que se opõem aos tradicionais Tratados de Livre Comércio (TLCs). "Esta é a alternativa ao projeto perverso e colonial da Área de Livre Comércio das Américas (Alca)", resumiu Chávez, durante a solenidade da assinatura do acordo bilateral realizada no Teatro Karl Marx, em Havana. Para o presidente venezuelano, o projeto da Alba segue os princípios de Simon Bolívar, líder latino-americano..—.Brasil de Fato, 23/12

ALBA: Trechos da declaração conjunta

Fidel e Chávez reforçam sua aliança estratégica

A aliança estratégica entre Havana e Caracas se consolida a passos de gigante. Isso foi demonstrado na última terça-feira (14/12), quando os presidentes da Venezuela, Hugo Chávez, e de Cuba, Fidel Castro, assinaram de surpresa um substancial convênio de cooperação que amplia os laços existentes e estabelece a eliminação de tarifas para as importações entre os dois países, a concessão de facilidades para investimentos, a venda de petróleo a um "preço mínimo de US$ 27 o barril" e o financiamento estatal por parte da Venezuela de projetos no setor energético e na indústria elétrica cubana. Presidente da Venezuela diz que a iniciativa sela a morte da Alca..—.El País, 16/12

Declaração de Caracas sobre Direitos Humanos

Declaração Final do IV Encontro Continental sobre Direitos Humanos, realizando na Venezuela, de 04 a 09/10..—.Adital, 10/12

Relatório aponta tratamento dado aos direitos humanos na Venezuela

Em recente divulgação de seu relatório anual, o Provea afirma: não há avanços significativos em direitos humanos em cinco anos de vigência da Constituição. A ONG teve conflitos recentes com o Governo Chávez, que a acusou de ser financiada pelos EUA..—.Adital, 10/12

Jornadas Bolivarianas revelam singularidade da revolução venezuelana

Elaine Tavares. Um violino tocando, dolente, trechos de Villa-Lobos, Bach, Tom Jobim, Zininho. Poemas de César Vallejo, Mario Benedetti, Ferreira Gullart, Neruda. Máscaras, risos, paixão, debates. De tudo isso teve um pouco na primeira edição das Jornadas Bolivarianas, promovida pelo Observatório Latino-Americano, em Florianópolis, Brasil. Três dias de discussão e análise acerca do processo bolivariano na Venezuela. Comunicação, educação, petróleo, democracia participativa, utopia, movimentos populares, Constituição. Um mosaico de temas que levaram o público a compreender um pouco mais das singularidades da América Latina. Da ADITAL, 10/12..[+]

Chávez: em 20 anos bloco alcançará unidade

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, avalia que em 20 anos se alcançará a unidade na América do Sul, que ontem assinou na cidade peruana de Cuzco a ata de constituição da Comunidade Sul-americana de Nações. "Nos próximos 20 anos devemos construir a unidade da América do Sul, a verdadeira unidade. Só assim seremos livres. Acho que 20 anos é suficiente para alcançá-lo", disse Chávez. O governante assegurou que devem ser criadas as condições "objetivas" necessárias para o funcionamento real da Comunidade Sul-americana de Nações.

Ele opinou que há diversas condições subjetivas para o funcionamento da Comunidade: "os índios, os trabalhadores da América do Sul pedem unidade e justiça, os 300 milhões de pobres, as crianças pedem justiça". Para Chávez, a assinatura do ata de constituição da Comunidade é "um passo muito firme para um novo rumo para os povos da América do Sul". Ele sustentou que a integração dos povos é o único caminho para a libertação das nações..—.Tribuna da Imprensa, 9/12

Apesar de oposição, Chávez promulga lei de responsabilidade social da mídia

Apesar da oposição de organismos internacionais como a Sociedade Interamericana de Imprensa, o presidente venezuelano Hugo Chávez anuncia a promulgação da Lei de Responsabilidade Social de Rádio e Televisão, após aprovação semana passada na Assembléia Nacional do país. Da ADITAL, 7/12..[+]

Chávez prepara versão do Sivam

Governo venezuelano se inspira no Sivam brasileiro para lançar sistema de vigilância na região amazônica. Com participação de Brasil, Peru e Colômbia, rede de antenas e radares conectados via satélite será operacional em 2006..—.Correio Braziliense, 6/12

Educação em direitos humanos é tema de seminário latino americano

Desde a última segunda-feira, acontece em Caracas, Venezuela, o III Seminário Latino Americano sobre educação em direitos humanos e inclusão social.—.Adital, 30/11

Lei dos meios de comunicação é aprovada na Venezuela

Depois de muitas polêmicas e pressões por parte da Sociedade Interamericana de Imprensa, a Lei de Responsabilidade Social na Rádio e Televisão é aprovada na Venezuela.—.Adital, 30/11

Aznar acusado de apoiar golpe na Venezuela

A visita do presidente da Venezuela, Hugo Chávez, à Espanha causou ontem uma tempestade política no país: pela primeira vez, o governo do socialista espanhol José Luis Zapatero sustentou a alegação de Chávez de que o governo anterior, do conservador José María Aznar, apoiou um golpe de Estado contra o presidente venezuelano em 2002. "No governo anterior, em atitude sem precedentes na diplomacia espanhola, o embaixador espanhol (em Caracas) recebeu instruções para apoiar o golpe. Isto não vai acontecer novamente", disse o chanceler espanhol, Miguel Angel Moratinos..—.O Globo, 24/11

A CIA por trás do crime de Danilo Anderson?

Marcelo Larrea para Adital . Os autores do atentado no qual morreu Danilo Anderson trabalham com os métodos da guerra secreta. Com uma perspectiva política que interrelaciona a evolução da Venezuela, com a região, o continente e o mundo. O crime reúne as características de uma conspiração secreta esboçada e monitorada diretamente pela CIA.—.Adital, 22/11

Atentado mata membro do Ministério Público em Caracas

Foi assassinado na noite de ontem, dia 18, o promotor do Ministério Público Danilo Anderson, possivelmente a figura mais emblemática na Venezuela em relação às investigações sobre o golpe de Estado de abril de 2002.—.Adital, 19/11

Chávez critica resultados dos encontros

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, criticou os encontros de cúpula em nota distribuída ontem aos jornalistas que acompanham a reunião do Grupo do Rio. "Muito se fala nessas cúpulas, mas pouco se faz. Uma vez eu disse que andamos de cúpula em cúpula, e os povos, de abismo em abismo", afirmou o venezuelano. A nota reproduz declarações dadas por Chávez às 6h30 na avenida Atlântica, avenida principal da praia de Copacabana, na zona sul do Rio, onde acabara de se exercitar. No documento, Chávez atacou os EUA, mas não se referiu à reeleição de George W. Bush..—.Folha de S. Paulo, 5/11

Chávez diz que espera fim do intervencionismo americano

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, felicitou o povo norte-americano pela demonstração de democracia nas eleições e disse esperar que o governo do presidente George W. Bush seja "novo de verdade". Quanto à política do país para a América Latina, e em particular para a Venezuela, Chávez afirmou que espera o fim do intervencionismo, que se reconheça a soberania e se respeite o direito internacional..—.Agência Brasil, 5/11

Chavismo governará em quase todo o país

Os venezuelanos voltaram às urnas, dia 31 de outubro, para escolher governadores, prefeitos e deputados. O primeiro boletim extraoficial emitido pelo Conselho Nacional Eleitoral (CNE) anunciou a vitória dos candidatos chavistas em 20 dos 22 Estados, com a recuperação, pelo governo, de cinco dos oito Estados sob comando da oposição: Anzoátegui, Apure, Monagas, Bolívar e Miranda. A oposição venceu em Nova Esparta e manteve a administração em Zulia, principal Estado petroleiro..—.Brasil de Fato, 4/11

Chávez propõe formação de Assembléia Constituinte no Haiti

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, afirmou que a XVIII Reunião dos Chefes de Estado e de Governo do Grupo do Rio está sendo muito interessante porque estão sendo discutidos assuntos importantes como a questão do Haiti. Ele afirmou que a Venezuela propôs a convocação de uma Assembléia Constituinte para dar soberania ao povo do Haiti..—.Agência Brasil, 4/11

Chavismo alcança hegemonia

O Palácio Miraflores amanheceu em festa nesta segunda-feira com a "gigantesca" vitória dos candidatos do governo nas eleições regionais, da qual saiu fortalecido o processo político conduzido pelo presidente Hugo Chávez..—.ALAI Net, 1/11

Chávez se consolida como maior aliado de Cuba

Quinze anos depois da desintegração do bloco socialista, que deixou o governo de Fidel Castro isolado e na falência, a Venezuela se transformou no principal aliado econômico e político da ilha. Desde a chegada ao poder de Hugo Chávez, em 1998, o volume dos intercâmbios bilaterais se multiplicou por cinco..—.El País, 20/10

Chávez diz que barril de petróleo deveria estar em 126 dólares 

CARACAS. O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, disse que "o petróleo deveria estar hoje em 126 dólares por barril", se considerado o crescimento da inflação mundial desde 1974. "Os preços são relativos (...). Objetivamente os números indicam que em 1974 o petróleo chegou a 13,6 dólares o barril. Mas, se aplicássemos a alta da inflação mundial em todos estes anos, deveria estar hoje em 126 dólares o barril". Os preços atuais se devem, disse nesta sexta-feira a um grupo de cadetes na Academia Militar, "principalmente à invasão do Iraque e à desestabilização do Golfo Pérsico e do Oriente Médio", assim como a seus próprios esforços para fortalecer a Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) (...) Chávez lembrou que, durante sua governo, a porcentagem de venezuelanos com uma renda inferior a um dólar por dia caiu de 23% para 15% entre 1999 e 2002. E acrescentou que isso consta nos relatórios do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud). Da Agência EFE, 9/10..[+]

Ação comunitária garante êxito de plano de segurança

O período experimental do Plano de Segurança Cidadã conseguiu reduzir o número de crimes na Grande Caracas ouvindo a comunidade sobre os pontos críticos em relação ao tema. A fórmula deve ser novamente aplicada com a implementação oficial do Plano nos próximos meses.—.Adital, 7/10

Venezuela cobrará responsabilidade social da mídia

A busca de qualidade na programação dos meios de comunicação acaba de receber novo impulso na Venezuela com a criação da Mesa Técnica da Lei de Responsabilidade Social em Rádio e Televisão, com o objetivo de promover o debate em torno do que deve ser e oferecer os permissionários da licença pública para operar a difusão pública de conteúdos..—.Adital, 5/10

Rádio comunitária é substituída por emissora comercial em Caracas

Desde o dia 28 de setembro, a Rádio Alternativa de Caracas tem sua freqüência ocupada por uma rádio comercial com grande potência e com cobertura total na capital venezuelana.—.Adital, 1/10

Quarenta crianças sofreram abuso sexual entre 2003 e 2004

Em Caracas, de 100 denúncias recebidas em um ano  pela Fundação Oficial Nacional de Denúncias da Criança Maltratada, 40 são de abuso sexual contra crianças.—.Adital, 30/9

Cuba e Venezuela planejam missões para países caribenhos

Ajuda venezuelana a países caribenhos chega a 700 mil dólares, e deve incluir o envio de missões educativas e de saúde para as nações necessitadas, como firmado nos projetos de cooperação econômica e social firmados recentemente por Chávez e Fidel Castro.—.Adital, 27/9

Defensor do Povo da Venezuela é acusado de omitir informações públicas

Pela quarta vez o Programa Venezuelano de Educação-Ação em Direitos Humanos (Provea) recorre ao Tribunal Supremo de Justiça (TSJ) para acusar a Defensoria do Povo por omitir informações públicas..—.Adital, 24/9

Brasil-Venezuela: Presidentes reforçam integração regional

Os presidentes Luiz Inácio Lula da Silva e Hugo Chávez participaram do encerramento do 5º Encontro Empresarial Brasil Venezuela, em Manaus, dia 15. O evento foi marcado pelo anúncio de pesados investimentos brasileiros em infra-estrutura na Venezuela, por meio do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). A previsão é de que, até o final de 2005, seja gasto 1 bilhão de dólares..—.Brasil de Fato, 23/9

Teoria da fraude, um suicídio político?

Ao manejar a estratégia de fraude para desconhecer a vitória de Chávez, a Coordenadora Democrática renunciou à realidade. Frente ao desespero da derrota, o recurso imediato e fácil tem proporcionado temporalmente coagir um setor exaltado de seus seguidores, mas, sem base real que o sustente, não tardará em transformar-se em seu oposto: de um instrumento contra Chávez, em uma nova vitória de Chávez.—.Adital, 22/9

TV do Sul

O ministro da Comunicação e Informação da Venezuela, Andrés Izarra, informou em seu programa de rádio, Comunicación en Tiempos de Revolución, que firmará um acordo com o Brasil para dar base jurídica ao projeto da Televisão do Sul. Segundo Dioclécio Luz, em sua coluna "Espelho da Mídia" no jornal Brasil de Fato, este será o canal para os países da América Latina se manifestarem, incorporando canais públicos/estatais da Argentina, Venezuela e Brasil. Até o final do ano essa TV sai do papel, garante o ministro..—.da redação, 21/9

Chávez diz que é o primeiro a rejeitar a reeleição ilimitada

A proposta de emendar a Constituição para permitir ao presidente venezuelano Hugo Chávez tentar sua reeleição quantas vezes quiser foi rechaçada neste domingo pelo próprio, confirmando que concorrerá pela última vez em 2006. As eleições de dezembro de 2006 vão eleger o presidente para o período 2007-13, e Chávez disse que só participará se "as circunstâncias assim permitirem".

A proposta que o deputado governista Luis Velázquez revelou na segunda-feira passada prevê a eliminação da frase "por uma única vez" no artigo sobre a reeleição presidencial. Desde então, a medida foi condenada não só pela oposição, mas também pela maioria das forças "chavistas"..—.Diário Vermelho, 20/9

Venezuela crescerá 6% em 2004

A Venezuela cresce muito. Nem os mais obstinados opositores do governo põem mais em dúvida a meta para 2004, de expansão do PIB de 6%..—.Ancelmo Gois, O Globo, 19/9

A descolonização da Venezuela

A Vitória de Chávez  no referendo de 15 de agosto passado, ao contrário de revogar seu mandato como pretendia a oposição e a Casa Branca, o ratificou pela quarta vez em cinco anos, no exercício do poder. Nunca antes na história mundial, um Chefe de Estado foi exposto a um processo de relegitimação tão constante como ele..—.Adital, 16/9

Chávez defende a criação da Petrosul e maior integração

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, defendeu um novo modelo de integração latino-americano, inclusive com a criação de uma empresa de energia regional: "Vamos criar a Petrosul, para integração energética e a Televisão do Sul, de integração cultural"..—.Monitor Mercantil, 15/9

Anti-chavistas mudam o discurso

Da redação, 5 de setembro, 2004. Depois da auditoria realizada em 150 mesas de votação do referendo revogatório do governo de Hugo Chávez, na Venezuela, a oposição "democrática" — a mesma que tentou dar um golpe de Estado no ano passado — acabou sendo obrigada a aceitar o resultado..[+]

Chávez manda acelerar a reforma agrária

Empenhado em acelerar a reforma agrária, o presidente da Venezuela, Hugo Chávez, ordenou que o Comando Unifi - cado da Força Armada Nacional (Cufan) faça, em duas semanas, o mapeamento dos latinfúndios do país – que é o quarto maior exportador de petróleo mundial, mas importa mais de 70% dos alimentos consumidos pela população. “Chegou a hora de democratizar a terra na Venezuela. Quero ver resultados rápidos. Terra para os camponeses, terra para quem trabalha, terra para o povo trabalhar e produzir”, disse o presidente, dia 29 de agosto, no programa dominical Alô Presidente..—.Brasil de Fato, 2/9

Embaixadora da Venezuela é ameaçada na Costa Rica

Nora Uribe, embaixadora da Venezuela na Costa Rica, denuncia que vem recebendo ameaças de seqüestro por conta da vitória do presidente Hugo Chávez depois do referendo..—.Adital, 30/8

Chávez ganhou plebiscito com 59,25% dos votos

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, conseguiu garantir sua permanência no poder até 2006 com 59,25% dos votos, segundo resultado oficial do plebiscito revogatório divulgado ontem pelo Conselho Nacional Eleitoral. Os votos contrários somaram 40,74%. O índice de abstenção foi de 30,02%.—.Folha de S. Paulo, 27/8

Venezuela: Desafio agora é combater a corrupção

Após a vitória no referendo de 15 de agosto, para o presidente venezuelano, Hugo Chávez, o próximo desafio é “aprofundar” a revolução bolivariana com reformas econômicas que possam garantir o acesso da maioria da população a serviços básicos como saúde, educação e moradia. Agora, com uma suposta trégua dos Estados Unidos que, embora tardiamente, reconheceram os resultados do referendo, e com uma oposição cada vez mais débil e isolada, o presidente tem força política e conta com o aparato de Estado para promover aquelas mudanças..—.Brasil de Fato, 26/8

Chávez vence e quer diálogo com opositores

Após uma longa jornada eleitoral, o presidente Hugo Chávez saiu vitorioso do histórico referendo revogatório a que foi submetido dia 15. Com 58,25% de votos a favor e 41,74% contra a continuidade de seu governo, Chávez seguirá no poder até 2006. Após o anúncio dos resultados pelo Conselho Nacional Eleitoral (CNE), o presidente discursou para milhares de venezuelanos.

“A partir de hoje começa uma nova etapa que significa aprofundar a luta contra a pobreza, a partir de um modelo econômico produtivo e diversificado, que atenda às necessidades básicas de toda a população”, assegurou, e garantiu aos venezuelanos que optaram pelo “sim” que o projeto que avança no país não os exclui. “A Venezuela mudou para sempre, não há passo atrás”, anunciou..—.Brasil de Fato, 19/8

Chávez ganha referendo; oposição não admite resultado

A Venezuela amanheceu em festa. Às 4h da manhã desta segunda-feira, o presidente do Conselho Nacional Eleitoral (CNE), Francisco Carrasquero, anunciou em rede nacional os resultados da apuração dos 94,49% dos votos do referendo..—.Brasil de Fato, Adital, 16/8

Vídeo montagem anuncia derrota de Chávez

O presidente do Conselho Nacional Eleitoral, Francisco Carrasquero, denunciou em cadeia nacional e internacional que chegou às suas mãos um vídeo montagem com sua imagem anunciando a derrota do presidente Hugo Chávez. Carrasquero exigiu uma investigação profunda a respeito desse crime..—.Adital, 15/8

Chávez vota em seu próprio referendo

O presidente Hugo Chávez exerceu seu direito ao voto cerca de meio dia e aproveitou para ressaltar sua alegria de ver seu país comparecendo maciçamente às urnas, dando uma lição de democracia ao mundo..—.Adital, 15/8

Indígenas manifestam apoio a Chávez 

Os povos indígenas, em comunicado especial, declararam a importância do referendo para as causas indígenas da Venezuela, ressaltando que a pressão formada pelos grupos opositores gerou uma agressiva campanha de difamação e desinformação com relação ao plebiscito, mas que os povos estão politicamente organizados em relação ao assunto..—.Adital, 14/8

Camponeses iniciam jornada de apoio a Hugo Chávez

A campanha pelo "não" do presidente venezuelano Hugo Chávez, por conta da consulta popular que vai decidir a sua permanência no poder, encontrou apoio em vários países da América Latina. Em El Salvador, Argentina, Cuba, Colômbia, Uruguai, México, e em outros, países, o povo foi às ruas para manifestar o apoio pela continuidade do mandato de Chávez. No Brasil, centenas de trabalhadores rurais estão concentrados em frente a Catedral de Brasília desde as 10horas..—.Adital, 13/8

Venezuela: o processo democrático precisa continuar

Na última quarta-feira, dia 11 de julho, o manifesto 'Venezuela: o processo democrático precisa continuar!' foi entregue ao Embaixador da Venezuela, Julio Montoya, por uma comissão parlamentar composta por Chico Alencar, Orlando Fantazzini (SP), Nazareno Fonteles (PI), Luiz Couto (PB), Babá (PA), Wagner Lago (MA) e Jamil Murad (SP).

Ao todo, 108 deputados federais do PT, PC do B, PDT, PSB, PMDB, PPS, PV, PTB e P-SOL assinaram o documento. Outros manifestos já ganharam a adesão de artistas e intelectuais do mundo todo, como Chico Buarque, Beth Carvalho, Adolfo Esquivel, João Ubaldo Ribeiro, Fernando Morais, Eduardo Galeano, Eric Hobsbawm, Carlos Heitor Cony e Oscar Niemayer. Leia na íntegra o manifesto da comissão parlamentar

História revela um Bolívar romântico

Uma dezena de cartas de amor inéditas escritas pelo herói da independência da América do Sul, Simón Bolívar, a uma equatoriana desconhecida serão reveladas em breve em Caracas. A informação foi dada no fim de semana pelo governo venezuelano..—.Jornal do Brasil, 5/7

Governo venezuelano combate intervenção dos EUA no referendo

Com a proximidade da realização do referendo revocatório do mandato presidencial, os setores venezuelanos que apóiam o presidente temem que a intervenção estadunidense obtenha, através da fraude eleitoral, o que os intentos golpistas não conseguiram: a deposição de Hugo Chávez..—.Adital, 29/06

Reunião de Cisneros e Chávez surpreende país

O presidente da Venezuela, Hugo Chávez, e o empresário Gustavo Cisneros, que alimentam uma inimizade cada vez mais notória, tiveram sexta-feira um surpreendente encontro mediado pelo ex-presidente dos EUA Jimmy Carter. A reunião aconteceu num momento em que o presidente e a coalizão de oposição Coordenação Democrática se encontram em plena campanha para um referendo em que os eleitores decidirão se querem manter Chávez no poder, em 15 de agosto..—.O Globo, 22/06

Venezuela: Organização é acusada de conivência com os Estados Unidos

O relatório divulgado pela organização de direitos humanos Human Right Watch no qual afirma que a nova lei que amplia o número de magistrados no Tribunal Supremo põe em risco a autonomia da Corte Suprema e do Estado de Direito, além de pedir a aplicação da Carta Democrática Interamericana, está sendo contestado por vários segmentos venezuelanos..—.Adital, 21/06

Resultado é espúrio e ilegal, diz reitor do CNE

O governo venezuelano será submetido a um referendo cuja aprovação foi baseada em fraudes, na opinião do primeiro reitor do Conselho Nacional Eleitoral (CNE), Oscar Bataglini, único dos cinco fiscais eleitorais que não votou a favor da realização do referendo após os resultados dos chamados “reparos”, realizados de 28 a 30 de maio. “Esse resultado é espúrio e ilegal”, diz o reitor, que criou uma comissão para apurar as fraudes. Depois da coleta de assinaturas realizada pela oposição em dezembro de 2003, o CNE anulou mais de 370 mil assinaturas em nomes de falecidos e de menores de idade..—.Brasil de Fato, 17/06

Chávez comemora vitória da democracia

José Arbex Jr., 14 de junho, 2004. Não são muitos os presidentes que passariam com tanto brilho por um teste tão rigoroso no final do quarto ano de seu segundo mandato, ainda mais sob cerrada oposição de praticamente toda a mídia do país. Leia aqui

Chavistas mostram força

Ruas de Caracas receberam mais de 60 mil seguidores do presidente Chávez..—.Jornal do Brasil, 07/06

Por que querem derrubar Chávez

De um lado, as classes populares. De outro, a elite e o apoio estadunidense. O próximo embate entre essas duas forças da sociedade venezuelana já tem data marcada para ocorrer. No dia 15 de agosto, o mandato do presidente Hugo Chávez será submetido a um referendo revogatório.

• Referendo definirá rumos do país
• Com o apoio dos EUA, oposição manobra referendo
• Amazônia e integração do continente correm perigo
• Chavistas mostram força: 60 mil nas ruas
• Maringoni: Batalha decisiva contra a globalização

Cresce pressão dos EUA sobre Chávez

A oposição ao governo de Hugo Chávez quer provocar um clima de instabilidade na Venezuela, para um novo golpe ou uma guerra civil. A constatação é do espanhol Diego Navarro, um dos observadores internacionais que, entre os dias 27 e 30 de maio, acompanharam o fraudulento processo de confirmação das assinaturas para convocar um referendo revocatório do presidente venezuelano..—.Brasil de Fato, 03/06

Chávez critica intervenção
O governo da Venezuela declarou ontem não reconhecer os EUA como país amigo, por causa da “intromissão descarada” de Washington no processo em torno da possibilidade de convocação de um referendo sobre o mandato do presidente Hugo Chávez. Chávez classificou de imperialista o aviso dado na quarta-feira pelos EUA de que o país poderia ser suspenso da Organização dos Estados Americanos se o presidente tentar impedir a realização de um plebiscito sobre o mandato dele..—.O Globo, 28/05

Andrés Pérez propõe tirar Chávez do poder à força
O ex-presidente venezuelano Carlos Andrés Pérez afirmou que o atual mandatário de seu país, Hugo Chávez, deve ser removido do poder à força, já que fracassaram os meios pacíficos para atingir esse objetivo. "Nós estamos dispostos a tirá-lo do poder, mas convencidos de que não será pela via pacífica e, sim, pela força", afirmou Pérez ontem à rádio colombiana Caracol..—.Tribuna da Imprensa, 07/05

Deputado venezuelano propõe união de movimentos sociais
Líder da bancada governista do Congresso venezuelano vem ao Brasil e propõe articulação entre os movimentos sociais dos dois países. O objetivo seria, entre outros, fortalecer a luta contra a Alca e o intervencionismo dos EUA na América Latina..—.Agência Carta Maior, 13/04

EUA admitem que financiam oposição a Chávez

Departamento de Estado dos EUA confirma que oposição a Chávez tem recebido recursos com o objetivo de "apoiar a democracia" no país. Dia 11, tentativa de golpe contra líder venezuelano completou dois anos..—.Agência Carta Maior, 12/04

Assinaturas suspeitas provocam impasse na Venezuela

Aumenta conflito entre Conselho Eleitoral da Venezuela e Supremo Tribunal de Justiça sobre validade das assinaturas para referendo. Presidente Hugo Chávez alerta para ameaça de golpe, reforça articulação internacional e diz que nada deterá a Revolução Bolivariana..—.Agência Carta Maior, 02/04

Explicando Chávez
Livro de Gilberto Maringoni mostra que um presidente odiado pela mídia pode ser querido pelo povo. Mas sugere que não há “revolução” bolivariana..—.Outras Palavras, 31/03

EUA financiaram a oposição a Chávez
Órgão controlado pelo Congresso republicano enviou mais de US$ 1 mi a opositores para organização de referendo..—.Folha de S. Paulo, 20/03

A Venezuela, 40 anos depois do golpe no Brasil

Cabe aos que seguem lutando pela democracia e pela justiça social impedir que se repita na Venezuela a violência contra a democracia de que fomos vítimas e que hoje ameaça vitimar o povo venezuelano. Por Emir Sader, na Agência Carta Maior, março de 2004

Chavéz desafia Estados Unidos

O presidente da Venezuela, Hugo Chavez, disse que contará com "China, Europa e países da América Latina , como o Brasil" se os EUA fizerem bloqueio econômico ao país e se ele cumprir a ameaça de cortar o fornecimento de petróleo aos norte-americanos. "Tenho documentos que comprovam que os EUA financiaram a oposição e continuam a financiá-la", disse, citando o petróleo como a motivação americana..—.FSP, 10/03

Chávez chama Bush de 'idiota'

Presidente da Venezuela ameaça suspender envio de petróleo aos EUA, que estariam apoiando opositores..—.Jornal do Brasil, 02/03

Especialista lança livro sobre a crise na Venezuela e a Era Chávez

O jornalista Gilberto Maringoni, um estudioso sobre a Venezuela, lançou recentemente o livro "A Venezuela que se inventa: poder, petróleo e intriga nos tempos de Chávez", publicado pela Editora Fundação Perseu Abramo. Nos últimos três anos, o jornalista estudou o emaranhado e conflituoso jogo do poder venezuelano. O resultado é um livro-reportagem, com diálogos de bastidores e muita informação para se tentar compreender o intricado movimento político e o golpe de Estado aplicado ao governo no ano passado.

Maringoni trata das greves que paralisaram o país e resultaram em convulsão social e da atuação da imprensa como fonte declarada de oposição ao governo. O livro traz ainda um estudo dos anos anteriores da política na Venezuela até a eleição do presidente Hugo Chávez. A apresentação é feita pelo sociólogo Emir Sader. O preço da publicação é R$ 30 e pode ser encontrado no site da editora: www.efpa.com.br

Com assinaturas para referendo sob suspeita, oposição cria crise

Às vésperas da divulgação do resultado da coleta de assinaturas para a realização do referendo sobre  revogação do mandato do presidente venezuelano Hugo Chávez, oposição tenta criar clima de crise institucional..—.Agência Carta Maior, 26/2

A "subversão" de Cuba e da Venezuela

Emir Sader, 6 de janeiro, 2004. O privilégio ao social e o intercâmbio sem bases mercantis são vistos por Washington como exemplos intoleráveis a outros países da América Latina..—.Agência Carta Maior

Arquivo 2003

Chavez film puts staff at risk, says Amnesty

An award-winnning documentary about the coup last year that briefly ousted the Venezuelan president, Hugo Chavez, has become the subject of a bitter dispute. Last week, it was withdrawn from an Amnesty International (AI) film festival because Amnesty staff in Caracas said they feared for their safety if it were shown. The film, The Revolution Will Not Be Televised, was made by two Irish film makers, Kim Bartley and Donnacha O'Briain. They were preparing a documentary about Mr Chavez, with his cooperation, before the coup and were inside the presidential palace in April 2002 when the events unfolded. By Duncan Campbell in Los Angeles, The Guardian, November 22, 2003.

Amnesty Confirms Violence Fears

Amnesty International (AI) has publicly confirmed that a fear of violence directed at their staff forced the organisation to withdraw 'The Revolution Will Not Be Televised' from their recent film festival in Vancouver, Canada. In an article in the Guardian newspaper, an Amnesty spokesman said the organisation had been forced to pull the film after staff at their Venezuelan office expressed fears for their safety if the film was screened. Prior to this, Amnesty has received a series of representations alleging that the film had distorted key events. These representations were rejected. The film was only pulled after the safety fears were raised. The Guardian confirmed that the campaign to halt screenings of the film is connected to opponents of the Venezuelan government. By Chavez The Film.com.

Órgão eleitoral marca datas para colher assinaturas

BBC Brasil, 16/10/2003. O Conselho Nacional Eleitoral (CNE) da Venezuela marcou na quarta-feira as datas para a coleta de assinaturas pela realização de referendos sobre os mandatos de políticos do país, entre eles, o do presidente, Hugo Chávez. O presidente do CNE, Francisco Carrasquero, disse que a oposição terá a semana de 28 de novembro a 1 de dezembro para colher assinaturas e, assim, garantir a realização do referendo sobre Chávez e outros 33 deputados pró-governistas..[+]

Em Caracas, Lula pede respeito à Constituição

BBC Brasil, 26/8/2003. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse que "se alguém não está contente com o governo do presidente Hugo Chávez deve cumprir as regras determinadas pela constituição e convocar um referendo popular". "Nada pode ser democrático do que isso". A declaração foi feita durante uma entrevista coletiva conjunta que Lula e Hugo Chávez deram nesta terça-feira, depois da assinatura de um acordo de cooperação econômica em Caracas. "O referendo é mais uma forma de participação popular, um direito que está localizado no lugar das possibilidades", disse Chávez..[+]

Partidários de Chávez mostram sua força

Clodovaldo Hernández, El País, 30 de janeiro, 2003. Centenas de milhares de simpatizantes do presidente Hugo Chávez caminharam vários quilômetros dos diversos pontos de partida para se concentrar na central Avenida Bolívar..[+]
 

Consciência.Net
Voltar
.
especial
Com cheiro de petróleo
Um dos alvos dos conspiradores do golpe contra Hugo Chávez era privatizar a PDVSA, para beneficiar e favorecer o grupo Bush e a espanhola Repsol. Por Carlos Fazio, em julho de 2002.