O trabalho é escravo quando interessa

Por Gustavo Barreto (*)

Veja como é fácil entender a “lógica” da circulação de informações em nossa sociedade brasileira ultraliberal.

O caso dos médicos cubanos ficou sendo discutido por infinitos meses, com a acusação de que eles estariam sendo “escravizados”. O que havia, de fato, eram questões trabalhistas — pontuais, porém pertinentes. Virou “TRABALHO ESCRAVO” e ficou sendo bombardeado na TV e nos principais meios eletrônicos e impressos dias a fio, sem qualquer razão para tal designação estúpida.

Por outro lado, recentemente dois grupos de imigrantes já sofreram EFETIVAMENTE com o TRABALHO ESCRAVO. Esse sim, comprovado, denunciado, com amplas informações disponíveis, fontes etc.

Citando apenas três flagrantes, 134 estrangeiros foram resgatados em alojamentos que mais pareciam senzalas ou chiqueiros (um era efetivamente um chiqueiro).

Alguém aqui — que não trabalhe diretamente com o assunto, aí não vale — sabe onde ocorreram e quais são as nacionalidades? Alguém? O senhor aí atrás? A senhora?

Google também não vale. Alguém?

Pois é.

E nós, em plena “Era da Internet”, nos julgamos bem informados.

(*) Gustavo Barreto (@gustavobarreto_) é jornalista. Acesse também pelo GBlog (www.consciencia.net/gblog) ou pelo Facebook (www.facebook.com/gustavobarretorj)


Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *