O monopólio do silêncio
Por Gustavo Barreto, 4/11/2005


Atenção, silêncio na platéia. Câmera... luz... ação! Entra ACM Neto no ar, para todo o Brasil, uma vez por hora nas TVs Globo e Globonews. Na edição do JORNAL NACIONAL de quinta (3/11), o bloco era quase todo dele. Microfones, câmeras, holofotes: o homem está sendo perseguido! O show, afinal, não pode parar.

Longe dos holofotes, a vida real. Enquanto a mídia faz escândalo pelos R$ 55 milhões do “valerioduto” e supostos grampos em gabinetes, um relatório do Tribunal de Contas do Estado (TCE) da Bahia aponta uma movimentação, entre 2003 e abril de 2005, de R$ 101 milhões em uma conta bancária não registrada no sistema de controle do Erário baiano. O TCE – o conselheiro Pedro Lino à frente – possui em mãos um relatório de 200 páginas sobre estranhas relações contratuais entre o governo baiano, a agência de publicidade Rede Interamericana/Propeg, do publicitário Fernando Barros, e organizações não-governamentais formadas por servidores públicos.

Conforme assinala a revista CARTA CAPITAL (edição 366 – 2/11/2005), que teve acesso ao documento, está no centro da investigação a Bahiatursa, estatal de turismo local subordinada à Secretaria de Cultura e Turismo estadual. Fernando de Barros é intimamente ligado ao clã dos Magalhães e ao PFL baiano, além de ser um campeão local de licitações. O relatório do TCE cita como exemplo de gasto não-discriminado os R$ 2,25 milhões da estatal de turismo em apoio à campanha da Rede Globo “Amigos da Escola”. CARTA CAPITAL relembra que a família do senador Antonio Carlos Magalhães é proprietária da TV Bahia, retransmissora da TV Globo no estado. Mantém, ainda, o jornal ‘Correio da Bahia’, panfleto político cujo objetivo é propagar os interesses do clã de ACM no estado.

Uma organização política não-eleita
 

Comunicação ou política?..
Para completar a feijoada em família, o atual presidente da Bahiatursa, Cláudio Taboada, foi indicado por ACM Neto para o cargo. Ambos têm uma ligação política fraternal, tendo ACM Neto apoiado Cláudio para secretário-geral do Diretório Nacional do PFL jovem, conforme consta no site do próprio deputado. O Tribunal de Contas da Bahia mostra, para quem quiser ver, a relação do escândalo (quase o dobro do total movimentado no ‘valerioduto’) com o governador Paulo Souto, o senador César Borges, ACM avô, ACM Neto e TV Globo.

Nesse contexto, é urgente começar a perceber esta emissora não como uma parceira dos poderes políticos A ou B, e sim como um poder político em si. Um partido institucionalmente organizado, que não passa pelo processo eleitoral, presente no Brasil inteiro, cuja principal característica é possuir o mais completo sistema de comunicação de que poderia dispor uma organização política. Faz parcerias conforme seus próprios interesses empresariais e ideológicos e possui como maior arma – para além da gritaria moralizante constante que nos “obriga” a ficarmos escandalizados (com quem eles querem que fiquemos) – o direito de não colocar no ar o que for ‘indesejável’. Quem possui o monopólio da palavra também possui, antes de tudo, o monopólio do silêncio.
 

____________________
Gustavo Barreto é editor da revista Consciência.Net, colaborador do Núcleo Piratininga de Comunicação (NPC) e pesquisador na Escola de Comunicação da UFRJ.

____________________
Leia a matéria citada em www.cartacapital.com.br, edição 366.

Publicidade
.

------------------------------------------
Visite também:
—>.Busca no site
—>.Agência Consciência.Net
—>.Café da Manhã
—>.Cartas
—>.Mapa da revista
—>.Principal

------------------------------------------
Consciência.Net