Teoria do Abacaxi
Gustavo Barreto, 20.11.2003

Todos sabem o que é fuga de cérebros. Os países mais desenvolvidos aproveitam o investimento público que os países mais pobres fizeram em humanos – universidade, principalmente – e levam nosso profissional formado e preparado, oferecendo gordos e respeitosos benefícios.

Não são tão gordos assim – muito menos respeitosos –, pois o retorno é muito maior. Isso prejudica diretamente o país que cedeu este trabalhador, que por sua vez deixará de usar o conhecimento em favor de uma nação muito mais necessitada deste ‘capital humano’.

Este benefício, baseado puramente no individualismo dito coletivo – "estamos todos no mesmo barco", dizem algumas empresas a seus funcionários –, tenta esconder que o que estamos exportando mesmo, no duro, é abacaxi na cabeça.

Já não se pode falar mais em Carmen Miranda, evidente, mas temos algo como um abacaxi disfarçado. É como se o abacaxi tivesse se adaptado, se desenvolvido. O abacaxi se transformou em ‘qualificação profissional’, mas não deixe de lado aquela vontade de nos tornar exóticos e ‘diferentes’ – “veja, um brasileiro inteligente” – que era basicamente a função do Abacaxi.

Melhor ainda: com possibilidade de entrar em outros mercados nos quais nós não estávamos tão presentes, quando antes apenas a indústria cultural serviria para nós, macacos.

Há quem veja vantagens: “Hoje o mundo possui menos fronteiras”, dizem. No entanto, a sensação que se tem ao entrar nos Estados Unidos, por exemplo, é de que só existe de fato uma grande fronteira, dividindo este do resto do mundo.

Enquanto os sociólogos-profetas anunciam o fim do Estado-nação, os países ricos anunciam cada vez mais alto seus nacionalismos exacerbados – com as bandeiras e a listras – que garantem um maior poder de soberania e exploração por meio de taxas alfandegárias e restrições civis.

O investimento na educação – mesmo que ralo – é nosso. Ao ser aprovado para trabalhar fora, somos chamados de “revelação”, “gênio” ou até mesmo “gente que faz”. Lucramos para as grandes corporações. Se não der certo? Simplesmente devolvem o abacaxi.
 

sobre o autor


Gustavo Barreto é estudante de Comunicação e editor da revista Consciência.Net


Opinião

Busca no site | Principal..Consciência.Net


Publicidade

.